Filipenses 2.1-11: Unidade por meio da Humildade

Filipenses 2.1-11

Tema: A Unidade por meio da Humildade

A humildade é o meio, a unidade é o propósito. Seremos unidos se formos humildes. Uma igreja que não é humilde, não será uma igreja unida.

Introdução:

No filme Batman vs. Superman, O bilionário Bruce Wayne, que tem secretamente operado em Gotham City como o violento vigilante Batman por quase duas décadas, culpa Superman pelas vítimas que resultaram de sua luta com o General Zod. Superman, trabalhando como jornalista do Planeta Diário como Clark Kent, vê Batman como perigoso e procura expô-lo. Ambos se acham aptos para salvar a humanidade, porém acham que o outro está errado. E por causa disso, caem na manipulação de Lex Luthor que quer destruir ambos. A falta de humildade nos leva a não querer olhar com os olhos do outro, tampouco a perdoar seus erros. E isso nos leva a um ódio a ponto que querer excluir o outro de nossa vida, a partir daí, passamos a ser instrumentos nas mãos de Satanás, que quer nos destruir e destruir o outro, acabando com a unidade da igreja que foi comprada com preço de sangue.

Contexto:

Paulo escreve à igreja de Filipos, que ele havia plantado debaixo de muita luta. Lídia se convertera ali, Paulo fora preso por expulsar o demônio de uma jovem adivinhadora, foi espancado, mas ainda assim usado por Deus para a conversão da família do carcereiro. Essa igreja foi a que mais apoiou Paulo em seu ministério. Uma igreja que estava sofrendo, porque agora, Paulo está preso. Eles estão angustiados com isso, e enviaram até Paulo, Epafrodito, com uma oferta para suprir as necessidades de Paulo, e para que trouxesse notícias do apóstolo. Ali, Epafrodito conta a Paulo sobre a situação da igreja, que estava crescendo na graça, porém haviam algumas divisões no meio da igreja. Existiam duas senhoras naquela igreja, muito trabalhadoras, mulheres fiéis, porém que não se bicavam. Evódia e Síntique (Fp 4.2) cooperaram com Paulo, porém agora, quando a reunião da SAF era na casa da Evódia, Síntique não participava. Quando Síntique dava um estudo bíblico, Evódia nem aparecia. Paulo então escreve a essa amada igreja, que o amava, que o sustentava e que tinha algumas dificuldades internas.

Uma exortação à:

1) UNIDADE

Paulo apela para a base de sustentação da unidade igreja. Paulo destaca uma base quádrupla para a unidade da Igreja:

1) Exortação de Cristo

O termo grego paráklesis significa exortação, convocação, consolação. Ou seja, Paulo está afirmando que Cristo, aquele que trouxe consolação à igreja por meio do seu sangue, se há uma exortação da parte de Cristo é que a igreja viva de modo digno do Senhor sendo unida.

2) Consolação de Amor

Paulo continua apelando para o amor de Cristo. Além de uma exortação de Cristo, vejam o amor de Cristo, e com base nesse amor que nos amou, amemos até chegar à unidade.

3) Comunhão do Espírito

Koinonía do Espírito. A igreja tem comunhão com Deus por meio do Espírito. Todos participam da comunhão, da ceia, e tem o Espírito Santo habitando dentro de si, foram batizados em um só corpo, e então, deveria morrer todo tipo de desavenças.

4) Entranhados Afetos e Misericórdias

A primeira palavra é splanchna que significa literalmente entranhas, órgãos internos. Para o judeu, as entranhas eram a sede das paixões, das afeições mais sensíveis. A segunda palavra utilizada por Paulo é oktimói que é uma palavra usada para misericórdia, compaixão, piedade. Com base nos entranhados afetos e misericórdia que Cristo teve por nós até morrer, devemos nós também ser movidos por entranhados afetos e misericódias.

Então Paulo traz uma exortação. Essa não é a primeira exortação de Paulo na carta. A primeira veio em Fp 1.27 quando ele diz: vivei de modo digno do Senhor. Aqui, é uma continuação desse viver de modo digno.

Paulo nutre grande estima e consideração por essa igreja. Eles também têm esse mesmo sentimento, de modo que estão participando do sofrimento de Paulo, estão sofrendo com ele, e ajudando-o com seus recursos. Agora, Paulo os convida a não somente participarem de sua aflição e apoia-lo financeiramente, mas que completem sua alegria. A alegria de Paulo não é egoísta, mas centrada na igreja. Nos alegramos muitas vezes quando nós somos bem-sucedidos. Paulo era extremamente bem-sucedido no mundo espiritual. O maior evangelista de todos os tempos. Mas não estava feliz com isso. Ele queria o bem da igreja. Sua alegria estava em ver pessoas se convertendo, mas não só isso, pessoas crescendo em unidade.

Alguns apenas dizem: vamos evangelizar. Não é apenas evangelizar. Evangelização e Discipulado. Salvação e Santificação. A alegria de Paulo estava em ver a igreja crescendo em santidade.

Como poderiam alegrar Paulo:

a) penseis a mesma coisa

Esse verbo aparece na epístola aos Filipense 10 vezes. O verbo “penseis” (phroneo) é uma combinação de atividades intelectuais e afetivas, mente e coração que levam a ação. A unidade da igreja deve estar baseada em um único pensamento. De cada 10 economistas, surgem 11 pensamentos econômicos distintos. De cada 10 teólogos, 11 visões diferentes. Como conseguir um mesmo pensamento em uma igreja com pessoas distintas, com histórias diversas? Esse verbo está ligado a ter harmonia, e também podia ser usado para uma causa pública, quando alguém era do mesmo partido do outro e o apoiava. Acima de tudo, está ligado a dirigir a mente para algo, esforçar-se para atingir um objetivo em comum.

O que devemos pensar: “amar a Deus acima de todas as coisas e ao próximo como a mim mesmo”. Amar a Cristo. Obedecer a Cristo. Pregar o Evangelho, Crescer em Santidade. Fazer discípulos. Amar. Ser misericordioso. Todas essas coisas fazem parte do mesmo pensamento do cristão. Não devemos focar e nos esforçar por aquilo que nos separa, divide, mas aquilo que nos une. Nossa luta não é contra pessoas, mas contra hostes espirituais. Nossa batalha não é por separar joio de trigo, mas por amar a todos, sem exceção. O FOCO DE PAULO É O PHRONEO.

b) tenhais o mesmo amor

Devemos amar como Cristo nos amou. Se amarmos como Cristo, não estaremos focados na divisão. Cristo tinha tanto herodianos (ex-publicanos) quanto zelotes (revolucionários). O amor daquele que olhou com graça uma mulher pega em flagrante adultério, para um leproso, para um cego de nascença.

c) sejais unidos de alma

A palavra usada por Paulo é simpsicoi, que significa alma unida. Nossas almas, pensamentos, sentimentos, atitudes devem andar unidos. Quando eu pensar, agir e sentir, não posso estar alheio ao meu próximo. Estou unido de alma com minha esposa. Mas devo estar unido de alma com todos meus irmãos. Estamos juntos. Por isso posso chorar com os que choram, sentindo sua dor, bem como me alegrar com os que alegram, compartilhando de suas vitórias.

d) tenham o mesmo sentimento

Devemos estar unidos, tendo as mesmas atitudes, pensamentos e sentimentos. Quando começarmos a agir corretamente, o sentimento virá.

Pode ser que você não sinta que deva fazer o certo, mas deve fazer o certo até que seu coração passe a sentir aquilo. Racionalmente sabemos o que devemos fazer, e devemos faze-lo mesmo que não sintamos.

Sei que não devo matar, mas se meu sentimento for de desejar a morte, devo seguir o que sei e não o que sinto. O mesmo para adultério e outros. Paulo coloca sentimento por último, justamente porque faço primeiro, depois de fazer, querer fazer o certo, querer amar, então passarei a sentir corretamente.

 

2) HUMILDADE

Paulo exorta para que as motivações não sejam erradas.

1) Não façam nada por partidarismo ou vanglória

Resultado do egoísmo, partidarismo (eritheia) significa um sectarismo onde coloco meus interesses acima do interesse de outros. Vanglória é vaidade. Uma glória vã, uma busca por autoglorificação. É uma glória que não é dada a Deus, e portanto é vã. Qualquer busca por algo que não glorifica a Deus (partidarismo e vangloria) é vazio. Desejo de tomar o lugar de Deus quando quero ignorar outros. Quando eu quero decidir quem é bom e quem não é. Quando coloco meus interesses acima dos interesses de Cristo.

Ilustração: Um casal de velhinhos assiste emocionado uma parada militar. A mulher cutuca a barriga do esposo e diz:

– Puxa vida, bem, não é por por nada, não, mas o nosso filho é o soldado mais lindo de todos!

E o marido, sem pestanejar, complementa:

– Sim, bem, é o mais lindo… e é o único que está com o passo certo.

 

2) A exortação? HUMILDADE.

A palavra grega que Paulo usa é tapeinophrosine. É a junção da palavra tapeinós (humilde, que não se levanta muito do chão) com o verbo phroneo (pensar). Ou seja, alguém que deve ter um pensamento humilde sobre si mesmo. Devemos ter um só pensamento (phroneo), e agora, devemos considerar os outros superiores a nós mesmos.

Não nos veremos como merecedores nem como mais justos, mais santos ou melhores. Se agimos corretamente, não é baseado nos nossos méritos, mas no poder do Espírito agindo em nós.

Dar às pessoas dignidade. Você considera os outros superiores a você? Temos uma ordem de Paulo a nós. Considerar alguém superior a si, significa servi-lo. Há pessoas que você não serve na igreja? Há base para isso, uma vez que Cristo lavou os pés inclusive de Judas?

Falta de humildade implica em não perdoar.

Falta de humildade implica em não saber ouvir.

Falta de humildade implica em não querer entender o outro.

Falta de humildade implica em ignorar pessoas, em considerar-se superior.

HUMILDE.

Que pensamento temos sobre nós mesmos? Se foi a graça, não há nada em nós. Tudo que sabemos fazer é pecar.

 

3) O EXEMPLO DE CRISTO DE UNIDADE E HUMILDADE

Vs. 5: Tende em vós o mesmo sentimento (phroneo) de Cristo. A palavra usada por Paulo é novamente phronéo. O foco de Paulo é que nosso coração, mente e ações sejam as mesmas de Cristo. Podemos ter um mesmo pensamento, sentimento e amor porque devemos ter o mesmo pensamento, sentimento e amor de Cristo. Não é apenas ser o que Deus quer que sejamos, mas desejar isso.

Tende em vós o mesmo sentimento (só pode ser algo que eu também posso fazer, não tema ver com atributos e natureza). O texto não diz que essencialmente sou inferior mas me colocar em uma posição de servo. Cristo é o nosso modelo.

Jesus se torna homem para ser aquilo que Deus quer que ele seja e pague por nossos pecados. E Paulo convoca toda a igreja a ser aquilo que Jesus é.

Qual sentimento Cristo teve? A palavra é sentimento, atitude. Pensamento. O pensamento que leva à atitude e ao sentimento. Cristo em seu coração

 

  • Cristo se uniu a nós (em nossa fraqueza e humanidade)

“Subsistindo em forma de Deus (…)” – vs 6a. “(…) reconhecido em figura humana (…)” – vs 7b.

A palavra “subsistindo” (hipárchon) tem o sentido de algo permanente, Jesus existia e existe eternamente na forma de Deus. As palavras “em forma” (en morphê) e “figura” (schémati), apesar de em alguns contextos do Novo Testamento serem palavras sinônimas, enquanto a palavra morphê dá uma ideia daquilo que é interior, essencial e permanente na natureza de uma pessoa ou coisa, enquanto squéma aponta para um aspecto transitório, externo ou aparente. Neste caso, Paulo afirma que Jesus tem em sua essência a natureza divina, que é permanente e que ele tinha desde a eternidade, enquanto a natureza humana, é temporal, no sentido que ocorre no tempo, além de Jesus ter aparência humana, assumido forma aparente. Paulo afirma que Jesus, que se tornou homem no tempo, sempre foi e continuará sempre sendo Deus por natureza.

“Forma De Deus” não tem a ver com natureza, atributos e essência, mas um contraste, forma de Deus e de Servo não são essência, caso contrário assumiria uma natureza e deixando outra. Forma de Deus é paralelo à Forma de Servo. Posição de autoridade e submissão.

 

  • Cristo foi humilde (processo de humilhação até a morte de Cruz)

Paulo continua dizendo que Jesus “não julgou como usurpação o ser igual a Deus; antes a si mesmo se esvaziou assumindo a forma de servo”. A pergunta aqui seria: do que Cristo se esvaziou? Teria Cristo deixado a “forma” de Deus? Certamente que não. Ele nunca deixou de ser Deus mesmo em seu estado de humilhação. Mesmo na morte, ele teria que ser Deus para vencer a morte como vimos anteriormente. Jesus se esvaziou da sua posição de autoridade tornando-se servo. Ele, que antes não estava debaixo da lei, agora se submete à lei para cumpri-la em nosso lugar. Além disso, se torna homem para morrer pelos nossos pecados debaixo da lei (2Co 5.21). Jesus se esvaziou de suas riquezas, pois “sendo rico, se fez pobre por amor de vós, para que pela sua pobreza vos tornásseis ricos. (2Co 8.7). Por fim, Jesus se esvaziou da sua glória. Ele mesmo diz em sua oração sacerdotal: “glorifica-me com aquela glória que eu tinha contigo antes que o mundo existisse”. (Jo 17.5). Assim como ele se esvaziou para pagar por nossos pecados em sua humilhação até a morte na cruz, ele foi exaltado e coroado de glória na sua ressurreição. Porém, em nenhum momento deixou de portar totalmente a divindade em si, e não deixou de ter nenhum dos seus atributos divinos.

Cristo assumiu a nossa humanidade caída. Ele sofreu o nosso sofrimento.

1) Primeiro Estágio da Humilhação de Cristo – Encarnação

– foi uma encarnação sob humilhação com as obrigações sob a lei que ele tinha.

– na carne assume natureza caída (sob efeitos da queda) sujeito a necessidades, sem lugar para nascer, precisando de ajuda financeira, sujeito a sofrimento, sob as consequências da natureza caída. Ele assume uma natureza enferma.

Assumiu forma de servo: o rei da glória pode julgar e controlar todas as coisas. Mas ele nasce humilhado, sujeito às autoridades e tinha que pagar impostos.

2) Segundo Estágio de Humilhação – Sofrimento

Sofreu escárnio, privações, desprezo. Abandono. Acusação falsa. Angústia. Agonia. Desonra. Negação. Perseguição. Ódio. Açoites. Isso vai se intensificando até chegar à morte.

3) Terceiro Estágio de Humilhação – Morte

Sofrimento intensivo na cruz significa para Cristo não somente morte física mas também significa morte espiritual (separação do pai – sofre o abandono do pai de forma intensiva). Descrevemos mas nem podemos imaginar, Cristo experimentou sofrimento espiritual e físico. Sofre o abandono da graça, da benevolência de Deus.

Somente um ser santíssimo diante de toda a punição de Deus continua sendo leal. O ímpio no inferno não se arrependerá e nem chamará Deus de seu Deus. Deus não pode se sujeitar a morte, mas como homem pode morrer. Naquele tempo que esteve morto, ele esteve junto do pai. Seu corpo está em um estágio de humilhação na sepultura. Porém ao terceiro dia ressurgiu.

4) Quarto Estágio de Humilhação – Sepultamento

Cristo é penalizado em nosso lugar. E isso leva a sepultura cumprindo a maldição de voltar ao pó. A humilhação o levou até a morte.

5) Exaltação de Cristo – vs 9

“Pelo que Deus o exaltou”

“Pelo que” (dió): Jesus conquista, merece a exaltação. Jesus Cristo conquista o direito a algumas coisas. Ele cumpre o Pacto da Redenção. Ele cumpriu todo o pacto e agora pede que Deus lhe restitua a glória que tinha ante (João 17.4,5). Em Hebreus 12.2 vemos que em troca da alegria, ele cumpriu o pacto.

Ele conquista e recebe um nome acima de todo nome, para que nos céus, na terra e debaixo da terra se dobrem todos os joelhos. Os humilhados serão exaltados.

O estado de exaltação é resultado judicial de sua humilhação. Deus o pai diz: Está aprovado.

Por causa do que Cristo fez, nós hoje podemos ser UNIDOS e HUMILDES. Não é baseado no nosso mérito.

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: