Efésios 4.1-6: A Unidade na Diversidade da Igreja

Efésios 4.1-6 – Unidade na diversidade da igreja 

“Como prisioneiro no Senhor, rogo-lhes que vivam de maneira digna da vocação que receberam.
Sejam completamente humildes e dóceis, e sejam pacientes, suportando uns aos outros com amor.
Façam todo o esforço para conservar a unidade do Espírito pelo vínculo da paz.
Há um só corpo e um só Espírito, assim como a esperança para a qual vocês foram chamados é uma só; há um só Senhor, uma só fé, um só batismo, um só Deus e Pai de todos, que é sobre todos, por meio de todos e em todos”. Efésios 4:1-6

Introdução

Deus cria o mundo para ser uma grande família, todos com um mesmo pai: Adão. Mas com a queda, irmão mata irmão. À partir daí, passa-se a ter divisões, guerras, mortes, desigualdades. A individualidade passa a imperar em detrimento da unidade.

Um mendigo é também meu irmão, pois é um filho de Adão, assim como eu. Em Cristo, o propósito de Deus é revelado e o pecado que divide é dissipado, pois por meio de Cristo somos unificados novamente. Uma unidade mesmo em meio a tantas diferenças.

Uma humanidade alienada sendo reconciliada, uma humanidade fragmentada sendo unida. Existem novos padrões para essa nova humanidade em Cristo.

Tema: A UNIDADE NA DIVERSIDADE DA IGREJA

A conjunção “portanto” (oún) nos dá a ideia de uma conclusão de tudo aquilo que Paulo já falou até aqui. O que será dito, baseia-se no que já foi dito e continua falando sobre isso concluindo. É uma conjunção conclusiva.

Paulo está concluindo aquilo que disse anteriormente. Depois de orar a Deus para que a igreja fosse unida pelo amor e pelo poder de Deus em Efésios 3.14-21, agora ele traz exortações à igreja. Isso já nos ensina algo. Qualquer ação da igreja deve ser antecedida por oração. Uma igreja sem oração é uma igreja morta.

Vs.1 Rogo-vos, pois, como prisioneiro no Senhor…

Paulo é tanto Prisioneiro de Cristo, quanto prisioneiro por amor da Cristo. Ele possui correntes de amor e correntes físicas. Como prisioneiro, Paulo exorta a igreja. A palavra “rogo” (parakalo) traz uma ideia de uma súplica constante do Apóstolo Paulo. O verbo parakaleo denota um senso de urgência com uma nota de autoridade. Essa palavra pode ter muitos significados como “implorar”, “convidar”, “solicitar” ou mesmo “consolar”. Este termo foi usado no grego clássico para exortar tropas que estavam prestes a entrar em batalha. Embora o parakaleo seja uma palavra forte, vale a pena notar que a forma substantiva (parakletos) é usada para descrever o Espírito Santo que conforta, encoraja e exorta. Paulo utiliza esse termo mais no sentido de “exortar”, denotando um apelo sério, fundamentado no evangelho, aos que já são cristãos a viverem em conformidade com o evangelho que receberam.

Que exortação é essa:

Vs. 1 Andeis de modo digno da vocação a que fostes chamados.

Andeis – aoristo – peripateo – andar, progredir, modo de viver. O foco dos últimos três capítulos de Efésios está no verbo andar (peripateo). Uma vez que compreendemos a graça que nos alcançou, nos redimiu e resgatou, devemos viver, andar de modo digno dessa salvação.

E modo digno: eles devem andar da maneira correta, da maneira que deve ser, não é de qualquer maneira, devo obediência.

Viver de modo digno do Senhor é um dos incentivos prediletos de Paulo

1 Ts 2.12 – Pois vocês sabem que tratamos cada um como um pai trata seus filhos, exortando, consolando e dando testemunho, para que vocês vivam de maneira digna de Deus, que os chamou para o seu Reino e glória.

Fp 1.27 – Não importa o que aconteça, exerçam a sua cidadania de maneira digna do evangelho de Cristo, para que assim, quer eu vá e os veja, quer apenas ouça a seu respeito em minha ausência, fique eu sabendo que vocês permanecem firmes num só espírito, lutando unânimes pela fé evangélica,

Ef 4.1 – Como prisioneiro no Senhor, rogo-lhes que vivam de maneira digna da vocação que receberam.

Em cada um destes casos Paulo está apelando para seus convertidos ficarem à altura da sua confissão como povo de Deus.

Ilustração: Nadadores americanos que alegaram ter sido assaltados, porém foram condenados por falsa comunicação de crime, na verdade quem estava transgredindo a lei eram eles. Eles estavam representando os EUA no Brasil, e envergonharam toda uma nação. Eles não agiram de modo digno.

Não andar de modo digno da vocação é quebrar o terceiro mandamento. Levamos o nome de Deus, e o usamos em vão quando não agimos de modo digno do Senhor.

Duas características da nova sociedade: um povo único (judeus e gentios, unidos). Um povo santo (separado do mundo para pertencer a Deus). Essa unidade não é mero ecumenismo religioso. Essa unidade depende de três proposições:

1) depende da caridade da nossa conduta (vs 2)

Devemos viver uma vida de amor. Paulo destaca cinco qualidades que resumem essa caridade: Humildade, Mansidão, Longanimidade, tolerância e amor.

A unidade não começa com estruturas ou dons, mas com qualidades morais.

HUMILDADE

Humildade não era algo bem visto no mundo antigo. Gregos nunca colocavam essa palavra num contexto de aprovação nem de admiração. vista como sinal de fraqueza pelos romanos. Era atribuída a escravos. Era gente que não pensa por si.

Cristo humilhou-se a si mesmo. Ele traz um novo modo de viver, uma nova cosmovisão. Tapeinophrosine significa humildade de mente. É ter uma opinião humilde sobre si mesmo. Eu não me acho melhor dos que os outros. Normalmente, quando nos achamos superiores, quando pensamos que nossas ideias, interpretações, teologia são melhores que dos outros, então ignoramos, somos indiferentes, levantamos nosso nariz e consideramos o outro como inferior e não digno de nossa atenção. Porém a primeira característica de uma igreja de Cristo é humildade. É o reconhecimento da dignidade e do valor das outras pessoas, fazer-se servo. Colocar-se abaixo e ter uma mente cativa e submissa a Cristo.

Humildade é o que traz unidade no casamento, na família, etc. Quando não sou humilde, não peço perdão. Não reconheço meus erros diante dos outros. Tenho uma dura cerviz.

MANSIDÃO

Mansidão – praotes – palavra para animais domesticados. Não é fraqueza, mas é a suavidade dos fortes, cuja força está sob controle. Alguém que não se controla não é forte.

Humildade e mansidão formam um par natural. Jesus é manso e humilde.

Muitas vezes nós somos o Leão com gel. Não somos dominados por Deus. Justamente porque nos achamos no direito de nos defender. Quando nos achamos merecedores, queremos nos impor sobre o outro, quando nos sentimos ameaçados, e agredidos. O cristão quando sofre o mal, não responde com o mal, mas com o bem. É dominado por Deus e não por impulsos carnais.

LONGANIMIDADE

Longanimidade e Tolerância também são um par natural. Makrotymia significa aguentar com paciência pessoas provocantes, tal como Cristo fez conosco. Uma possível tradução é ser paciente, tardio para punir o pecado.

Ilustração:

Esta é a história de um médico escocês, notável pelo seu espírito caridoso e piedoso.

Segundo se narrava, depois de sua morte, quando os seus livros estavam a ser examinados, foram encontradas muitas contas sobre as quais estava escrito em letra vermelha o seguinte: “Perdoado (muito pobre para pagar)”.

Sua esposa, de espírito diferente, disse:

– Estas contas precisam ser pagas.

E começou a tomar providências jurídicas para receber o dinheiro.

O juiz perguntou-lhe:

– São de seu marido estes dizeres escritos a tinta vermelha?

– Sim, disse ela.

– Então não há tribunal na terra que possa obrigar os perdoados a pagarem-lhe, pois o seu marido escreveu “Perdoado”.

TOLERÂNCIA

Suportar, tolerar, sustentar, carregar (anecho). Devemos suportar aos outros no sentido de viver em paz. Você tem suportado, tolerado seus irmãos diferentes?

Uns aos outros (allélon) nos passa a ideia de uma família. Devo suportar meus irmão e deve ser recíproco. Quando não há reciprocidade, temos uma igreja doente.

AMOR

Amor é a qualidade final que abrange todas as outras. Agápe é o amor que representa o amor de Deus. Sincero, sacrificial, não egoísta. Esse amor que levou Cristo à cruz por inimigos.

Paulo nos mostra cinco pedras fundamentais do cristianismo.

 

2) devemos lutar para preservar a unidade

Existe probabilidade de desunião portanto:

“Esforcem diligentemente pra preservar a unidade do Espírito”

Paulo um verbo com um sentido imperativo: “Esforcem diligentemente”. Eles não deveriam poupar esforços, deveriam empenhar-se, ter pressa, e fazer isso diligentemente, a todo tempo.

Para preservar: guardar, preservar, tomar conta da unidade. Ou seja, a unidade é gerada pelo Espírito, mas pode ser afetada pela nossa conduta. Devemos nos esforçar para ter uma conduta caridosa para preservar a unidade da igreja.

No Vínculo da Paz: somos amarrados, ligados, unidos pela paz (eirene). Essa paz não é nossa, mas vem de Deus

O que você tem feito para preservar a unidade da igreja? Se não tem buscado isso, você está em pecado meu irmão. Se não conversa com alguém, é necessário que conserte isso. Mas essa unidade significa uniformidade?

Certamente que não. Não significa que irei concordar com tudo que meu irmão pensa. Não significa que tenho que ter os mesmos posicionamentos políticos, nem a mesma posição social, nem a mesma cor, nem os mesmos gostos, tampouco a mesma profissão ou ser da mesma família sanguínea. Estar em unidade significa fazer parte da mesma família de Deus. Como irmãos, necessariamente devemos desejar o bem do nosso irmão. Não preciso ser amigo do meu irmão, mas se ele precisar de mim, eu estou à disposição. Se alguém atacar meu irmão, eu irei defendê-lo. Se meu irmão precisar ser carregado pois foi agredido, eu irei leva-lo no meu colo, seja fisicamente, seja espiritualmente.

Somos chamados a enxergar as pessoas meus irmãos.

1Ts 5.14

 

3) A unidade surge da unidade do nosso Deus

A unidade surge da unidade do nosso Deus. Podemos ter unidade porque estamos unidos ao Deus Trino.

Trindade – um só Espírito, um só Senhor, um só Deus e Pai.

Vs. 4 – Um só corpo, um só Espírito e uma só esperança.

Um só corpo: não há possibilidade de divisão. Dividir do meu irmão implica em amputação de um membro do meu corpo. Agredir o meu irmão implica em agredir a mim.

Um só Espírito: temos em nós o mesmo Espírito. Tendo o mesmo Espírito, agredir ao meu irmão significa atentar contra um eleito de Deus, que é templo do Espírito Santo. Quem intentará acusação contra um eleito de Deus? É Deus quem o justifica (Romanos 8.33).

Uma só esperança: DIFERENÇAS TODO MUNDO TEM. MAS DEVEMOS TER O MESMO PROPÓSITO. Deus não faz discípulos em série. Cada um é diferente. Cada um é uma parte do corpo. Um membro é diferente do outro. No casamento é assim. Um segue por causa do outro. Se eu não ceder pela diferença não cumprirei o propósito. Ser diferente é propósito de Deus. Deus fez assim. Se não tem propósito, as diferenças tornam-se o foco, e gera-se a divisão. Devemos caminhar com uma mesma esperança, um mesmo propósito. A nossa esperança é a vinda do nosso Senhor, a redenção de todas as coisas.

Vs. 5 – Um só Senhor, uma só fé e um só batismo.

Um só Senhor: onde existe o mesmo Senhor, judeus e gentios, negros e brancos, ricos e pobres, grandes e pequenos estão unidos. Se Cristo é o alvo da adoração, honra e glória, não há espaço para divisões. Não há quem seja melhor. Todos somos SERVOS. Ele é o Senhor sobre todos. Se todos servimos a ele, todos temos o mesmo propósito. Ele está certo e todos aceitamos. Não buscamos nossa vontade mas a dele. Então todos devemos ter a mesma vontade, que é cumprir a vontade dele. Se rejeitamos nosso irmão, estamos rejeitando a vontade do nosso Senhor.

Uma só fé: todos somos salvos da mesma maneira. Pela fé no Senhor Jesus. Ninguém pode ter mais fé para ser salvo, ou menos. Todos temos o mesmo acesso a Cristo. Todos seguimos o mesmo caminho para ser salvos. Não é possível chegar a ele de outra maneira, andamos juntos para isso. Se rejeitamos nosso irmão, estamos rejeitando nossa fé.

Um só batismo: o sinal exterior da fé em Cristo é o batismo. Todos tivemos o mesmo sacramento. Fomos batizados por crer em Cristo. O batismo é um sacramento de unidade. Somos batizados como sinal de fazer parte do povo da aliança. Portanto, somos irmãos por meio desse batismo. Se rejeitamos nosso irmão, estamos rejeitando nosso batismo.

Vs. 6: Um só Deus e Pai de todos, que é sobre todos, age por meio de todos e está em todos.

Um só Deus e Pai de todos: somos membros da mesma família, e temos o mesmo pai, sendo portanto irmãos. Adoramos o mesmo Deus, e temos o mesmo pai. Somos uma só família, porque há só um Pai. Rejeitar meu irmão implica em dividir a família de Deus.

Que é sobre todos: A preposição “sobre”(epí) mostra que Deus está acima de todos. Deus é soberano e governa sobre todos. Não há escapatória. É a vontade dele que é feita sempre. Quando queremos nos impor sobre nosso irmão, estamos querendo nos colocar em paridade com Deus.

Age por meio de todos: A preposição “por meio” (diá) aponta que Deus utiliza todos os membros de sua família como instrumentos em suas mãos. Deus usa a TODOS. Não há exceção. Quando estou dividido no corpo, estou sendo privado de receber bênçãos da parte de Deus por meio de irmãos. Há diferentes dons.

Deus investe naquilo que ainda não deu certo. Deus não busca nossos resultados. Deus quer o nosso coração. O pai do Filho Pródigo o recebe e o acolhe, mesmo sem que ele desse resultado algum. Aquele endemoninhado gadareno, que era rejeitado pelos seus, que não pôde seguir Jesus, porém voltou para os seus e pregou em toda Decápolis. O primeiro missionário pregando a gentios, na atual Jordânia.

Alguém investiu em mim quando eu não dava resultado.

Está em todos: Mais do que ter Deus acima de nós em sua soberania, de fazer parte de sua família, de ser instrumento em suas mãos, mais do que isso, Deus habita em nós. Os cristãos creem que Deus é o criador do mundo, sustenta o mundo, governa o mundo e Deus habita nos seus. Deus habita em nós. “Se Deus é por nós, quem será contra nós?” (Rm 8.31). Muitas vezes nossos próprios irmãos se levantam contra nós. Talvez os que mais nos ferem não são os de fora, mas os de dentro.

Conclusão

Como podemos mudar isso?

Começando por mim. Você que está sendo tocado pelo Espírito Santo, que habita em você. O fato de as pessoas errarem não nos dá liberdade para errar também. Somos chamados a imitar o nosso redentor Jesus Cristo. Quando todos o abandonaram, ele permaneceu fiel. Ele amou os seus até o fim. Não temos que agir para produzir admiração, ou buscando resultados.

Quando amo alguém que não tem nada para me oferecer em troca, então manifesto o caráter de Deus. Quando tenho misericórdia de um miserável que não me retribuirá, pelo contrário, talvez se voltará contra mim, então aprendo o que é ser imitador de Jesus. A igreja não é chamada por Deus a dar resultados. Não há nada nas Escrituras que aponte que temos que ter um grande lugar, que temos que ter muitos membros, que temos que ter muito dinheiro. A igreja pode até ser admirada pelo mundo, mas isso não produzirá respeito. A igreja não é respeitada por resultados, é respeitada se tiver um caráter de Cristo. Daniel – não se curvou. Não foi admirado, mas produziu respeito em todos os quatro reis.

Como produziremos respeito? Tendo um caráter santo. Vivendo os valores do reino. Sendo uma igreja humilde e perdoadora, que vive uma vida digna da vocação a qual foi chamada. Voltada para o Deus trino que a criou, que a sustenta, governa, age por meio dela e habita nela.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: