João 4: Encontro marcado

Era meio-dia. Naquela região tão quente ninguém ia buscar água naquele horário, afinal era o momento mais quente do dia. Mas aquela mulher semana após semana, ao meio-dia estava na fonte a retirar água para seus afazeres. A vida a castigara. Cinco casamentos tivera, agora tão rejeitada que foi, o homem que está com ela apenas a usa sem qualquer compromisso.

Ela foge. Foge dos olhos que a condenam. Foge dos preconceitos e da incompreensão. Se pudesse, fugiria da sua própria vida e história, mas não é possível mudar o passado. Ela estava fugindo mas aquele dia foi diferente. Um homem resolveu passar por aquele lugar. Ele sabia que ela estaria lá. Era-lhe necessário passar por Samaria. Ela fica apreensiva pois ele lhe dirige a palavra. Como um homem judeu fala com uma mulher samaritana? Afinal, judeus não se davam bem com os samaritanos. Mas seus olhos são bondosos. Ele não a julga. Tampouco a considera inferior. Ele lhe dá dignidade. A trata como igual, e tinha pedido água a ela.

Mas ele disse algo que poderia mudar a sua vida. Se você soubesse quem eu sou, me pediria água viva e nunca mais teria sede. Seria isso possível? Será que há algum tipo de água que eu não precise mais voltar aqui para buscar? Sem mais fuga? Sem mais condenações das pessoas? Sem mais sofrimento? Por favor, dê-me desta água! Jesus, o rei do universo, que está diante daquela mulher lhe dá de beber de uma água que não é material, mas que lhe dá a vida eterna.

Antes, aquela mulher tinha uma sede insaciável em sua alma. Tentara saciar com relacionamentos. Mas como coisas passageiras podem satisfazer necessidades eternas? Somente o que é eterno poderia preencher o vazio do seu coração, pois Deus criou sua alma eterna. Naquele momento, ela revela que esperava ansiosamente a vinda do Messias, chamado Cristo, para ensiná-la. Apesar do seu passado, sua esperança de futuro estava em Cristo. Ela não tinha ideia que ele estava diante dela. Então ele se revela. Eu sou! Eu que falo contigo. Ela está diante daquele que é sua esperança e que mata a sua sede. Agora, ela tem a Cristo. Não tem mais sede. Não precisa mais se esconder.

Ela deixa a água para trás, e vai para sua cidade, justamente para aqueles de quem fugia, para levar a água que bebera. E muitos daquela cidade também creram em Cristo e foram saciados pelo testemunho daquela mulher. Antes rejeitada, agora uma mulher transformada pela graça de Deus. O mesmo Jesus que a transformou, hoje continua marcando encontros para saciar a sede daqueles que estão sedentos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: