Gênesis 37.26-27: Mudança de Epitáfio

Gn 37.26 

A GRAÇA QUE GERA RECOMEÇOS 

Introdução: 

Alfred Nobel

Químico, Inventor da Dinamite e ficou rico por isso. Em 1888, a morte de outro de seus irmãos, Ludvig, na França, acarretou a publicação de alguns obituários errôneos nos jornais. Diários franceses informaram que era Alfred Nobel quem havia falecido. Assim, essa situação trágica lhe impôs a leitura de um obituário de si mesmo, em francês, que dizia no título: “O mercador da morte está morto”.

Ele então decide mudar seu epitáfio:

Ao falecer, em 1896, Nobel deixou toda a sua fortuna para a criação de um fundo que premiaria aqueles que “no ano anterior, foram responsáveis pelos maiores benefícios à humanidade”. Inventor da dinamite, o cientista fez questão de estabelecer, entre os prêmios anuais, um que homenageasse a busca da paz. Lê-se, em seu testamento: “para a pessoa que fez o melhor trabalho em prol da fraternidade entre as nações, em prol da abolição ou redução dos exércitos permanentes e em prol da realização de congressos de paz”. Os outros prêmios instituídos foram o de física, o de química, o de fisiologia ou medicina e o de literatura.

“Todo homem”, disse Nobel, “deveria ter a chance de corrigir seu epitáfio no meio do caminho e escrever um novo.”

Hoje talvez você possa mudar seu epitáfio. Confie no poder de Deus. É ilimitado. Ele faz do fraco, forte.

Hoje veremos sobre um homem que teve sua vida transformada, que se arrependeu dos seus pecados do passado, e teve seu futuro abençoado. Seu epitáfio foi mudado em vida. 

CONTEXTO 

Cap. 37 

A história gira em torno de José, mas o tempo todo temos a figura de Judá sendo trazida à tona. O narrador sempre tem um propósito quando faz uma narrativa. Ele destaca os personagens que quer. Veja, que Gn 37.2 temos a narrativa da história de Jacó. E então ele passa a contar sobre José. Gn 37-50 não se trata de um foco em José, mas um foco em Jacó e ênfase em três filhos: José, Judá e Rúben.

RUBEN: 

Em Gn 35.22, Rúben aparece se deitando com a mulher de seu pai, Bila.  

Em Gn 37.21, 22 e 29, quando os irmãos decidem matar José, Rúben tenta livrá-lo, mas seus irmãos não lhe dão ouvidos. 

Em Gn 42.22: Rúben aparece confrontando seus irmãos porque não o ouviram. 

Em Gn 42.37: Rúben diz a seu pai que poderia confiar a ele Benjamin, porém seu pai não lhe dá ouvidos e não confia nele. 

JUDÁ: 

Judá, depois do seu nascimento, aparece pela primeira vez aqui. 

Gn 37.26: Disse Judá a seus irmãos:: De que nos aproveita matar nosso irmão e esconder-lhe o sangue. Vinde, vendamo-lo aos ismaelitas. 

Judá é o líder entre os irmãos. Eles não ouvem a Rúben, o primogênito, mas a Judá. 

Ele é quem dá a ideia de mostrar a túnica com sangue a Jacó. O texto não diz isso, mas Moisés vincula Judá a isso no Cap. 38. A mesma palavra hebraica é usada para quando a túnica chega para Jacó e quando Tamar mostra o cajado a Judá. Reconhece isso? 

Em Gn 38 temos a história de Judá. Gn 37.36 e 39.1 são uma sequência. Alguns liberais dizem que Gn 38 é uma interpolação (como uma inserção de texto onde não deveria estar). Porém Moisés, o autor, tem um propósito nisso. 

Ele conta a história de Judá.

Em primeiro lugar temos uma traição. 

A TRAIÇÃO (Gn 37.6)

Judá agora leva consigo o fato de ter vendido seu próprio irmão por 20 moedas de prata. Para cada irmão, duas moedas. Dois dias de trabalho. Considerando o salário de um trabalhador nos nossos dias, seria o equivalente a 70 reais. 

Judá é o cabeça disso. Ele começa muito mal. Uma curiosidade, Judá é o mesmo nome daquele que traiu Jesus. Em grego temos o nominativo que acrescenta o S no final, ficando Judas. Mas é exatamente o mesmo nome. 

Havia raiva, inveja, mágoa em seu coração. 

Aplicação: 

– Pensando fazer o mal para outros, o mal vem sobre nós mesmos. Os irmãos de José intentam o mal contra ele, Deus transforma em bem. Mas eles sofrem durante toda sua vida com a culpa.

Sem lenha, o fogo se apaga; e, não havendo maldizente, cessa a contenda. Pv. 26.20 

UMA TRAGÉDIA PESSOAL (Gn 38) 

Cap. 38 

Temos a história de Judá. Ele tem três filhos. Er, Onã e Selá. Judá não é um homem temente a Deus e não cria seus filhos no caminho. Ele perde dois filhos pois eram maus. O pecado os leva à morte.  

Ele vive uma tragédia familiar. Ele carrega o fardo de ter vendido seu irmão (vemos esse peso não apenas sobre ele, mas sobre os outros nos capítulos seguintes), e agora, vê seus filhos morrerem porque eram maus. Ele vê que o pecado traz morte. 

Em uma crise, esse homem vê uma mulher coberta. O rosto tampado, ele se deita com ela, e ela gera filhos. Ele percebe que Tamar estava grávida e manda mata-la. Seu problema estaria resolvido. Porém agora ele ouve uma palavra, décadas depois, que ele conhecia muito bem (um deja vu – eu já vi em francês). 

Reconhece isto? O selo, o cordão e o cajado. Ele deixou o RG e o CPF com ela. 

Mesma palavra hebraica em Gn 37.32. Vê se é a túnica (nakar). Reconheceu Jacó (nakar).

Gn 38.25: Reconhece (nakar). Reconheceu Judá (nakar). 

E diz: Mais justa é ela do que eu. 

Aplicação: 

  • Deus não desperdiça sofrimento. 
  • Rm 8.28: Todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus. 
  • Deus é especialista em transformar tragédia em triunfo. 

REDENÇÃO (Gn 44) 

Cap. 43.8-9: Judá diz a Israel – Envia o jovem (Benjamin) comigo, e nos levantaremos e iremos, para que vivamos e não morramos, nem nós, nem tu, nem nossos filhinhos. Eu serei responsável (arab – fiador, tomar como penhor, incumbir-se em lugar de alguém, dar em garantia) por ele, da minha mão o requererás, se eu to não trouxer e não to puser à presença serei culpado para contigo para sempre. 

Judá sabe do que está falando. Ele já era culpado por José. Agora, ele daria tudo para não ser culpado por Benjamin.  

Cap. 44.14-34. 

Agora temos mais um deja vu (em francês quer dizer eu já vi). Mesma situação, o filho preferido agora pode ficar como escravo no Egito. 

A BÊNÇÃO: 

Gn 49.8-12: Judá teus irmãos te louvarão; a tua mão estará sobre a cerviz de teus inimigos; os filhos de teu pai se inclinarão (shachar – mesma palavra de Gn 37.7 e 9 – os dois sonhos de José) a ti. Judá é leãozinho; da presa subiste, filho meu. Encurva-se e deita-se como leão e como leoa, quem o despertará? O cetro não se arredará de Judá, nem o bastão de entre seus pés, até que venha Siló (aquele de quem é isto); e a ele obedecerão os povos. Ele amarrará seu jumentinho à vide e o filho da sua jumenta, à videira mais excelente; lavará as suas vestes no vinho e sua capa, em sangue de uvas. Os seus olhos serão cintilantes de vinho, e os dentes, brancos de leite.   

De Judá vem o Messias. De Traidor a Redentor e Rei. 

Do traidor, Deus suscita o redentor. 

CONCLUSÃO 

Diante dos fracassos muitas vezes pensamos em desistir. Achamos que não somos merecedores de uma nova oportunidade diante de pecados que nos afligem. De fato, não merecemos, mas o que Deus faz é transformar fracassados e pecadores em novas criaturas, dando uma nova história, um novo caminho. 

Deus pode transformar sua tragédia hoje em triunfo para sua glória. Deus age independentemente de nossas expectativas. Ele faz o impossível e transforma o fraco em vitorioso. Faz de pescadores iletrados, homens poderosos em obras. Faz de medrosos, grandes guerreiros. De rejeitados, reis. 

Deus quer tirar seus pecados e te fazer viver em santidade. Seu propósito é transformar sua história e te fazer semelhante a Jesus, aquele que morreu a pior morte e triunfou ressuscitando ao terceiro dia para salvação de muitos.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: